Apresentação

“”Tem acontecido algumas vezes na História – pouco frequentemente – de uma sociedade humana se exprimir inteira em alguns monumentos perfeitos e privilegiados, e de transformar em obras, legadas às gerações futuras, tudo aquilo que ela possui em termos de vigor criador, de espiritualidade profunda, de possibilidades técnicas e de talentos. Essas flores não irrompem nem desabrocham a não ser quando a seiva é pura e abundante, quer dizer, quando a sociedade é fecunda, harmoniosa, e quando existe na sua massa o instinto de criação, esse fervor espiritual que, levando o homem mortal acima dele mesmo, o possibilita de se eternizar. Essas obras não nascem do acaso, mas da paciência crepuscular e das grandes esperanças, em um momento favorável do tempo. Assim, elas marcam o ponto culminante de uma curva que descreve as sociedades humanas; são breves flores de perfeição.

Através delas, é toda a civilização que as criou que se deixa compreender. No Parthenon de Péricles, não é Athenas, guia das artes, mestre do pensamento claro, que se desabrocha em nosso olhos? A Indonésia bramânica não está inteiramente compreendida na ordem caótica, na proliferante riqueza de Borobudur? E, apenas ao considerar Versailles, não se nos revela toda a França do Grande Rei? Por sua vez, a espiritualidade, a moral, a vida prática, os trabalhos, e, de uma certa forma, até a política medieval, não estão plenamente eternizadas nas catedrais europeias?

Essas aparições, assim como o desabrochar de uma flor, são precedidas de uma germinação lenta, de um impulso orgânico que por vezes dura séculos. Resultado ao mesmo tempo de um aperfeiçoamento técnico e de uma gradual aquisição de consciência da coletividade, elas encontram seu ponto de eclosão no momento em que sua seiva é mais abundante.”

(Henri Daniel-Rops, Comment on batissait les Cathedrales, Paris: Le Centurion, 1954)

___________________________________

Considerando essa visão apresentada, o principal objetivo dessa página é lançar um olhar sobre os templos católicos mais significativos do Brasil, tendo em vista não apenas seu aspecto material ou artístico, mas também, na medida do possível, as experiências humanas e espirituais relacionadas a essas igrejas.

Além disso, há outros motivos que também estimularam a realização desse trabalho. Dentre eles:

a) a pouca valorização do passado, o vandalismo cultural e o frequente desrespeito à memória histórica, comum em quase todas as cidades brasileiras;

b) a existência de guias turísticos despreparados, que repassam (ou inventam) mitos, lendas e fantasias sobre a história e os  significados de inúmeras igrejas Brasil afora;

Não há intenção de esgotar o assunto ou de passar um conhecimento puramente acadêmico ou enciclopédico sobre cada igreja – há diversas obras primorosas dedicadas ao tema, e que são mencionadas como referências, podendo ser consultadas por quem se interessar.

E, finalmente, espera-se que o blog sirva de estímulo à visitação dessas igrejas. Por mais bela que seja uma história ou uma foto, elas não reproduzem inteiramente as impressões que somente uma visita pessoal causa. Para facilitar nesse quesito, também é indicada a localização geográfica das igrejas, por meio de links para o Google Maps.

___________________________________________________________________

FOTOGRAFIAS 

Sobre a política de fotografias desse site, ver aba MENÇÕES LEGAIS E CONTATO

_____________________________________________________________________

Organização, textos e colaborações:

Plinio Lins (pblins@gmail.com); Alexandre Mendes de Almeida; Tarcisio Iran Cangussu Guimarães (cangussuguimaraes@hotmail.com); Eliane Vilela Antunes (eli5vil@gmail.com);  Jean Paulo de Souza (jeanpaulosh@yahoo.com.br); Israel Dias Reis.

_____________________________________________________________________

 

‘Patrimônio Espiritual’ colaborou com material fotográfico para as seguintes obras:

A progênie brasileira de uma fachada da Renascença
Alberto Souza
Mídia Gráfica e Editora, João Pessoa; 1ª edição, 2017
(http://www.vitruvius.com.br/pesquisa/bookshelf/book/1863)

 

Retábulos em Minas Gerais / Francisco Lameira… [et al.]. – Faro : Departamento de Artes e Humanidades da Universidade do Algarve, 2018. – 172 p. : il. ; 29 cm. – (Promontoria monográfica. História da arte ; 16)

(http://bibliografia.bnportugal.pt/bnp/bnp.exe/registo?1983094)

 

_________________________________

 

 

aIMG_00308

CONTATO (sugestões e críticas):

Um comentário sobre “Apresentação

  1. Tomei conhecimento desse blog por meio de um professor de arquitetura e digo que o formato e o propósito estão MUITO BONS.
    Além de ter material original, vejo uma preocupação em usar fontes confiáveis e também um cuidado em dar a elas um acréscimo de ‘vida’, contando experiências de seres humanos envolvidos com essas igrejas. Como bem dizem, cada igreja não é apenas um patrimônio de pedra, tijolos e madeira, mas é a expressão de mentalidades e vivências humanas.
    Parabéns por mostrarem ao mundo esses tesouros.

    Curtir

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.