Matriz de Nossa Senhora do Rosário – Cachoeira, Bahia

A cidade histórica de Cachoeira situa-se às margens do Rio Paraguaçu, no recôncavo Baiano, e consta que foi fundada no século XVI por Diogo Álvares Correia, o Caramuru.  Mas foi somente após a implantação de um engenho de açúcar, pertencente à família Adorno, que o lugar começou a ter uma crescente presença portuguesa. Junto a esse engenho, ainda no final do século XVI, foi edificada uma pequena capela, dedicada a Nossa Senhora do Rosário.

Até a primeira metade do século XVII, foram frequentes os conflitos com os indígenas, e até mesmo com invasores de outras nacionalidades (holandeses), e somente a partir de 1654 a paz reinou de forma mais permanente no local. Foi João Rodrigues Adorno que, nessa época, reconstruiu o engenho e a igreja, e passou a desenvolver o local.

Com a construção de um segundo engenho, a população do entorno começou a aumentar. Nessa época, foi criada uma freguesia consagrada a Nossa Senhora do Rosário, mas as datas encontradas não são precisas: segundo a arquidiocese de Salvador, foi criada em 1695, porém, há um marco comemorativo na própria igreja que indica a criação da freguesia como sendo em 1674. O fato é que em 1693, uma Carta Régia instituiu oficialmente aquela que seria a “Vila de Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira do Paraguaçu“, que não tardou a crescer, dada a sua posição privilegiada no entroncamento de importantes rotas que se dirigiam ao sertão baiano, ao Recôncavo, às Minas Gerais ou a Salvador.

A igreja primitiva do engenho – que fazia as vezes de matriz – ficara pequena para a população, e decidiu-se construir uma outra maior, localizada na parte baixa da vila. Com a edificação do novo templo, a capela original continuou existindo, mas mudou de nome, passando a ter como padroeira Nossa Senhora da Ajuda, ao passo que a nova matriz recebeu o orago de Nossa Senhora do Rosário.

A igreja de Nossa Senhora da Ajuda, a mais antiga de Cachoeira.

Acima: igreja de Nossa Senhora da Ajuda, de fins do século XVI, que pertenceu a um engenho e foi a primeira matriz de Cachoeira.

matriz rosário cachoeira

A nova matriz foi erigida em uma parte mais baixa da cidade.

Para a construção dessa nova matriz, João Rodrigues Adorno – senhor de engenho descendente dos pioneiros da povoação – doou um terreno e uma grande quantia em dinheiro. Os registros indicam que construção efetiva somente se iniciou em 1740, mas o historiador francês German Bazin ressalta que essa igreja possui um traçado semelhante ao da Matriz de São Bartolomeu de Maragogipe e ao da igreja de Santo Antonio da Barra em Salvador – motivo pelo qual ele afirmou que essa matriz deve ser pelo menos de princípios do século XVIII. De qualquer forma, é certo que as obras demoraram várias décadas.

matriz rosário cachoeira

matriz rosário cachoeira

A matriz de Cachoeira possui duas torres com coroamento piramidal revestido de azulejos.

matriz rosário cachoeira
Acima, uma imagem de Nossa Senhora do Rosário, e abaixo, detalhe dos pórticos.matriz rosário cachoeira
IMG_7147 IMG_7150 IMG_7181 matriz rosário cachoeiraUm fato relativamente comum na construção de várias igrejas brasileiras do período colonial era a solicitação de um donativo ao próprio rei para término da capela-mor – a parte mais nobre da igreja. Tal costume parecia ter mais a finalidade de prestigiar o local do que propriamente decorrer de falta de recursos. Assim, em 1747, D. João V, Rei de Portugal doou oito mil cruzados para a construção da capela-mor e sacristia da matriz do Rosário de Cachoeira.

matriz rosário cachoeira
matriz rosário cachoeiraInternamente, a matriz do Rosário de Cachoeira é revestida de uma enorme coleção de azulejos, que foram fixados entre 1750 e 1760. Este é considerado o maior conjunto de painéis de azulejos portugueses fora de Portugal.

Os altares laterais são em estilo rococó, e o altar-mor e os dois colaterais do cruzeiro são em estilo neoclássico. A decoração da nave, incluindo os púlpitos, coro e tribunas é em estilo rococó e segundo Bazin sua talha se inspira na Igreja da Ordem Terceira do Carmo de Cachoeira.

IMG_7251
IMG_7256

IMG_7229

IMG_7218 IMG_7220
IMG_7237
Acima, Nossa Senhora e São Domingos de Gusmão. Abaixo, capela do Santíssimo Sacramento.IMG_7223
A pintura do forro da nave é do tipo ilusionista de influência italiana, e tem como autor o pintor José Joaquim da Rocha, o mesmo artista que embelezou diversas outras igrejas baianas, dentre elas a Basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia, em Salvador. IMG_7241 IMG_7243 matriz rosário cachoeira
IMG_7253

________________________

REFERÊNCIAS:

– Bazin, German, L’Arquitecture Religieuse Baroque au Brésil, Tome II, Paris: Librairie Plon, 1958

– OTT, Carlos. História da Igreja de Nossa Senhora do Rosário de Cachoeira. Centro de Estudos Baianos, Salvador, 1978.

Senhorinho, Darlane Silva, A azulejaria no império português: painéis de azulejos da matriz de Nossa Senhora do Rosário de Cachoeira e seus aspectos iconográficos.

http://www.ipac.ba.gov.br

– IPHAN

 

 

 

 

Um comentário sobre “Matriz de Nossa Senhora do Rosário – Cachoeira, Bahia

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s