Catedral de Nossa Senhora da Boa Viagem – Belo Horizonte, Minas Gerais

“A Matriz de Nossa Senhora da Boa Viagem de Curral d’El Rey está situada em campos amenos na extensa planície de hua serra, donde minão imensas fontes de cristalinas e saborosas águas; a atmosphera he salutífera, o clima da região he temperado; está circulada de pedras e mais materiaes de que se podem fazer soberbos edificios; a Natureza creou este logar para hua famosa e linda cidade, se algum dia for auxiliada esta lembrança.”

Assim escrevia, no ano de 1829, o padre Francisco de Paula Arantes, vigário de Curral d”El Rey, em relatório para a Cúria de Mariana – ainda sem imaginar que futuramente aquele local sediaria a capital de Minas Gerais.

Conta-se que, na primeira década do século XVIII, o português Francisco Homem del Rey mandou edificar uma capela para resguardar uma imagem que ele possuía, representando a Virgem Maria sob o título de Nossa Senhora da Boa Viagem – uma devoção comum entre aqueles aventureiros que atravessavam o oceano.

Ao redor da capela crescia um povoado – denominado Curral d’el Rey –  e o templo foi recebendo melhorias e ampliações, mantendo, no entanto, as características das primitivas igrejas mineiras. No ciclo do ouro, o local foi um ponto de parada de inúmeros tropeiros que circulavam pela região, e consta-se que a maior parte das obras de embelezamento da igreja tenham ocorrido a partir de 1765.

Em fins do século XIX, devido ao seu posicionamento extremamente favorável, Curral d’el Rey foi escolhida para sediar a futura capital de Minas Gerais – que até essa época ficava sediada em Vila Rica (Ouro Preto). Esse fato causaria profundas mudanças no entorno e na própria igreja.

boa viagem 1910 curraldelrey

Foto em que aparece a antiga igreja da Boa Viagem, já quando havia sido iniciada a construção da nova capital mineira.

À medida que os anos se passaram, o povoado colonial foi dando lugar a uma cidade nova, inspirada em modelos urbanísticos franceses – ruas retilíneas e construções em estilo neoclássico. Nessa mesma época, essa capital nascente – que ganhou o nome de Belo Horizonte – iria também sediar uma diocese, motivo pelo qual necessitaria de uma catedral.

Assim, devido à localização central da igreja ‘da Boa Viagem’ (bem próxima ao coração da cidade), decidiu-se que ali seria edificada a futura catedral, em estilo neogótico. Entretanto, ao invés de manter as duas igrejas, demoliu-se a antiga matriz, restando dela apenas alguns itens que foram incorporados à nova catedral, que foi inaugurada em 1923.

Obviamente, essa demolição da velha matriz causou insatisfação em alguns corações mineiros, como se pode depreender de um poema de Afonso Arinos:

A Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem 

(que lindo nome para um barco à vela)

foi construída em 1765

por ordem do senhor capitão-mor das Minas

para os povos de Curral del-Rei

Nesta igrejinha de janelas verdes

eu me batizei.

No mês de Maria enfeitava-se a nave com folhas de manga

e as meninas cantavam em coro:

“No céu, no céu, com minha Mãe estarei.”

No ano de 1925 o senhor diretor de obras

deitou abaixo a matriz da Boa Viagem

(que lindo nome para um cemitério)

e construiu, no lugar dela,

uma catedral gótica, último modelo.

Eu achei que foi bobagem

mas o povo de Minas disse que era progresso.”

 

De fato, o ideal seria que, mesmo com a construção da nova igreja, a antiga fosse mantida…

Apesar dos pesares, tal fato não tira o mérito da nova edificação, que é sem dúvida um dos exemplares mais refinados do estilo neogótico em terras brasileiras. E, diga-se de passagem, o estilo gótico muitas vezes é considerado como o mais favorável à elevação do espírito.

Atualmente, a catedral – que foi considerada ‘moderna’ nos anos 1920 – é um remanescente da antiga beleza belo-horizontina que ficou quase ‘sitiada’ pelo concreto vertical dos edifícios que surgiram ao redor. Pode-se dizer que, em cerca de um século, o local viu a arquitetura colonial portuguesa ceder lugar para a influência neogótica francesa, e por fim, para a massificação dos edifícios de influência norte-americana…

Nesse sentido, a igreja da ‘Boa Viagem’ resiste como um dos oásis da região central de Belo Horizonte.

Atualmente, além de ser catedral metropolitana (onde se situa a cátedra do arcebispo), a igreja da Boa Viagem detém também o título de Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua – local onde permanentemente fica exposta para adoração o Santíssimo Sacramento. Os ofícios litúrgicos e demais atividades são coordenados pela congregação dos Sacramentinos.

IMG_0397

IMG_0877

IMG_0867

IMG_0858

IMG_0864

Acima: o lavabo da antiga matriz, esculpido em pedra-sabão, encontra-se em um dos corredores laterais externos da catedral.

IMG_2037

IMG_2049

Acima, o zimbório (cúpula) e vitrais do transepto direito. Abaixo, tribunas da nave central.

IMG_2046

Abaixo, um altar da antiga igreja encontra-se instalado no coro da atual catedral.

IMG_2066

Abaixo, o altar-mor.

IMG_7068

___________________

 

REFERÊNCIAS:

-Mourão, Paulo Krugger Correa. A Catedral de Nossa Senhora da Boa Viagem de Belo Horizonte. Belo Horizonte, 1978

-Site da paróquia: www.igrejaboaviagem.org.br

– Sobre a antiga matriz da Boa Viagem: curraldelrei.blogspot.com.br

 

 

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s