Santuário de Nossa Senhora da Piedade – Caeté, Minas Gerais

Conforme já foi narrado anteriormente, os primeiros bandeirantes chegaram a essa região do Brasil no final do século XVII, atraídos pela possibilidade de encontrar ouro e pedras preciosas naquele lugar que os índios chamavam de Itaberaba-assu – “montanha resplandecente e alta“. Na linguagem corriqueira, a montanha ficou conhecida como Serra de Sabarabuçu, e daí derivou “Sabará“, o nome do rio e da primeira vila daquelas cercanias.

Com a descoberta do ouro, as povoações cidades foram crescendo, o que trazia também problemas, incluindo os de ordem moral. A ânsia por riquezas materiais, as disputas e as libertinagens eram coisas relativamente comuns, e isso acabou por despertar em algumas pessoas um desejo de se retirar para locais mais afastados, onde pudessem viver mais próximos do mundo espiritual.

Surgiram então os ermitões (‘irmitoens‘), que, à maneira dos antigos anacoretas do deserto, retiravam-se da agitação das cidades rumo a lugares isolados desses tumultos da sociedade. Eles geralmente alternavam períodos de isolamento com peregrinações pelas vilas, caminhando quase sempre com pequenos oratórios. Não eram membros do clero (portanto eram leigos, e muitas vezes de pouca instrução), viviam de esmolas e doações, e alguns deles se estabeleciam junto a igrejas ou capelas mais isoladas – prática que acabava sendo benéfica, pois cuidavam desses templos e impediam que ficassem abandonados.

Em Minas Gerais, ao menos dois ermitões se destacaram historicamente: o Irmão Lourenço, que se embrenhou pelas matas da Serra do Caraça e construiu a Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens (que mais tarde se tornaria o Colégio do Caraça), e Antônio da Silva Bracarena, que escolheu o alto da Serra do Sabarabuçu para erguer sua ermida.

Bracarena e a ermida

Naquela época a tradição oral contava que, por volta de 1760, duas meninas haviam visto, nas cercanias da serra, a Virgem Maria com Jesus nos braços. Uma delas era muda de nascença, e, desde que esse fato ocorreu, passou a falar, contando o ocorrido a todas as pessoas. Isso bastou para atrair devotos, que passaram a frequentar o alto da serra, transformando-o local de oração.

No ano de 1767, motivado por essa devoção, e portando uma autorização do bispado de Mariana, Bracarena se empenhou em construir sua ermida no ponto mais alto daquela rochosa montanha, a mais de mil e setecentos metros de altura. Com base na tradição que já existia no local, a igreja deveria ser dedicada a Nossa Senhora da Piedade – invocação que venera a Virgem Maria no momento em que recebeu seu Filho morto nos braços, após a crucificação, e que coincidia com a visão relatada pelas meninas.

Uma das fotografias mais antigas da ermida

Uma das fotografias mais antigas da ermida

Bracarena foi conduzindo a construção com algumas dificuldades, pois o local era de difícil acesso, e era necessário um considerável esforço para levar alguns materiais para o alto da serra. Nessa empreitada, ele gastou todos os seus bens, passando a depender de doações. A igreja ficaria pronta por volta de 1778, e ficaria sob a jurisdição da paróquia de Caeté, que era a cidade mais próxima.

Desde então, a montanha passou a ser chamada “Serra da Piedade”, e se tornou centro de romarias e palco de graças alcançadas. Bracarena viveu isolado no alto da montanha até falecer, em 1784. Mas seu exemplo também atraíra outros “irmitoens“, que passaram a residir no local, abrigados em celas situadas atrás da capela.

Embora a capela fosse modesta, recebeu um altar barroco ornado de uma bela imagem de Nossa Senhora da Piedade, atribuída ao Aleijadinho.

Saint- Hilaire e a Irmã Germana

O célebre naturalista francês Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por terras brasileiras para estudos de plantas nativas, visitou a serra no ano de 1818, e relatou que, da plataforma em frente à igreja, havia descoberto o mais extenso panorama que lhe havia sido possível apreciar desde que chegara na Província de Minas. Acerca dos ermitões que estavam no local, descreveu:

Os eremitas que ocupam a espécie de monastério da Serra da Piedade são simples leigos. Usam um grande chapéu e uma batina, ou melhor uma espécie de ‘robe de chambre’ preto. Quando de minha viagem eles eram apenas três: dois pequenos mulatos muito ativos e um velho branco que, confesso, provocou-me grande desejo de rir, por seu ar distraído, por seu semblante rubicundo e sua cabeleira postiça, velha e dilatada (…).

No mesmo relato, Saint-Hilaire conta que residia na serra uma mulher cuja fama se espalhara pelas redondezas. Possuía costumes puros e conduta irrepreensível, e vivia em meio a jejuns e abstinência – apesar de ser leiga, ficara conhecida como “Irmã” Germana. Frequentemente entrava em êxtases, principalmente às sextas-feiras, quando permanecia com os braços em forma de cruz durante horas seguidas. Dois cirurgiões dos arredores declararam que o estado da devota era sobrenatural, e isso contribuiu para atrair milhares de pessoas à ermida. Um médico irlandês refutou à distância a declaração dos dois cirurgiões, dizendo que ela padecia de doença neurológica, mas, como ele nunca esteve na serra, sua opinião não chegou a ser considerada pelas pessoas.

Mesmo assim, o bispo de Mariana, Dom Cipriano da Santíssima Trindade – que, no entender de Saint-Hilaire era um homem ‘ajuizado e competente’ – proibiu a celebração de missas na serra, esperando, com isso, diminuir o afluxo de pessoas ao redor da Irmã Germana. Mas os fiéis continuaram a frequentar o local, e pediram diretamente ao rei de Portugal autorização para realização das missas: este autorizou a continuidade das celebrações, fazendo com que o local continuasse movimentado.

Saint-Hilaire relata que o padre confessor de Germana era desinteressado e caridoso, e não se mostrava impressionado pelo fenômeno. Desejava que homens competentes estudassem-na, e reclamou de que o único médico que questionou o caso havia tirado suas conclusões sem se dar ao trabalho de ver pessoalmente a enferma. Em seguida, o naturalista prossegue:

“Pedi para ver Germana e fui levado ao pequeno quarto onde ela ficava permanentemente deitada. Percebi seu rosto sob um grande lenço que se prolongava adiante de sua testa; pareceu-me não ter mais de 34 anos, idade que efetivamente lhe atribuíam. Sua fisionomia era doce e agradável, mas indicava grande magreza e debilidade extrema. Perguntei-lhe como se achava, e, com voz quase sumida, ela respondeu-me que se achava melhor do que merecia.”

A ‘Irmã’ Germana não viveu muito, vindo a falecer pouco tempo após a vista de Saint-Hilaire.

Outras personalidades

Após essa época, destacaram-se na Serra outras pessoas devotas, como o capuchinho Frei Luiz de Ravena, que fez melhorias na ermida e viveu no alto da montanha até sua morte, em 1871.

Com seu falecimento, somado à falta de um responsável pela ermida, o local ficou ameaçado pelo abandono, até que um sacerdote – o Monsenhor Domingos Evangelista Pinheiro, pároco da cidade de Caeté – decidiu organizar uma confraria, aproveitando as construções iniciadas por Frei Luiz. Assim, em 1878, foi fundada a irmandade leiga de Nossa Senhora da Piedade, com o objetivo de proteger e gerenciar o Santuário, e de edificar um asilo para meninas órfãs e outras pobres, filhas de escravos, nascidas após a Lei do Ventre Livre. O Asilo São Luiz da Piedade foi então construído no sopé da serra, e, atendendo a pedidos de muitas daquelas que ali cresceram, foi fundada também uma ordem para freiras – a Congregação Religiosa das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade, que permanece no local até os dias de hoje dando assistência a crianças, jovens, enfermos e idosos.

No ano de 1876, por concessão do Papa Pio IX, foi instituído um jubileu anual, que desde então atrai muitos fiéis a este lugar durante o mês de agosto.

historia_santuario

No ano de 1958, atendendo a pedidos de bispos mineiros e do governador do estado, o papa João XXIII concedeu prerrogativas litúrgicas de Padroeira do Estado de Minas Gerais à Santíssima Virgem, invocada sob o título de Nossa Senhora da Piedade. E a 31 de julho de 1960 ocorreu a solenidade de consagração do Estado de Minas Gerais a Nossa Senhora da Piedade. A cerimônia se realizou na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, com a presença de 40 Bispos mineiros, do então governador de Minas Gerais (Bias Fortes), autoridades civis e militares, religiosos, organizações da Arquidiocese e de cidades vizinhas, e imensa multidão popular.

O local, que foi alçado à condição de santuário, recebeu melhorias e foi ampliado, sobretudo quando ficou sob os cuidados do dominicano Frei Rosário Joffily. Em anos mais recentes, foram instalados no topo da montanha um observatório astronômico e uma base de radares da Aeronáutica, que são visualmente discretos e não interferem na beleza e tranquilidade do local.

A ermida da Serra da Piedade guarda ainda seu aspecto rústico, e permanece imersa no silêncio das alturas. Esse silêncio – que por si só já vale uma visita ao santuário – proporciona ainda hoje, da mesma forma que aos antigos ermitões, uma excelente possibilidade de sensibilização para as verdades eternas, que geralmente são asfixiadas pelo tumulto e pelo falatório da vida nas cidades.

IMG_99861

Cume da Serra da Piedade visto a partir da cidade de Sabará

IMG_0022

Minas2010 190

Minas2010 224

Minas2010 223

Minas2010 197

Minas2010 207

Minas2010 218

Minas2010 226

Minas2010 210

Minas2010 214

Imagem de Nossa Senhora da Piedade, atribuída ao Aleijadinho

Imagem de Nossa Senhora da Piedade, atribuída ao Aleijadinho

Minas2010 203

 

“No confessionário, no púlpito e na direção das almas o segredo do êxito está em levá-los pelo amor a Deus, e não pelo temor… Um sermão aterrorizador tem um efeito muito efêmero. Quando se chega a inculcar o amor de Deus nas almas, as coisas deste mundo não desviam mais do seu divino Norte, a bússola da alma –  o coração.”

Mons. Domingos Evangelista, fundador da Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade

 

__________________________________________

 

Referências:

– Carrato, José Ferreira, As Minas Gerais e os primórdios do Caraça, Belo Horizonte:Brasiliana, 1963

– Saint-Hilaire, Auguste de, Viagem pelo Distrito dos Diamantes e litoral do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974

Santuário Nossa Senhora da Piedade

Congregação das Irmãs Auxiliares de Nossa Senhora da Piedade

Serra da Piedade, Berço da Padroeira de Minas Gerais

Sobre a Preservação da Serra

 

 

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s